• Wado França Junior

União de esforços para alcançar a resiliência climática: produtores e pesquisadores atualizam as...

UNIÃO DE ESFORÇOS PARA ALCANÇAR A RESILIÊNCIA CLIMÁTICA: PRODUTORES E PESQUISADORES ATUALIZAM AS ESTRATÉGIAS DE AGRICULTURA CLIMATICAMENTE INTELIGENTE DO CCA

Consórcio Cerrado das Águas (CCA) e Programa Café Plus lideraram o movimento de conexão das comunidades: acadêmica, de pesquisa e produtiva para ação conjunta pela agricultura inteligente. Por Consórcio Cerrado das Águas

Realizado entre os dias 16 e 17 de setembro, o Workshop de Atualização das Estratégias de Agricultura Climaticamente Inteligente reuniu as comunidades acadêmica, de pesquisa e produtiva, no campus da UFV – Rio Paranaíba para discutirem sobre as práticas agrícolas que garantam a conservação dos recursos naturais e tornem a agricultura resiliente à mudança climática.

O evento é resultado de uma parceria do Consórcio Cerrado das Águas com o Programa Café Plus e contou com o apoio da UFV – Universidade Federal de Viçosa – Campus Rio Paranaíba e Sebrae. Para sua realização também contou com patrocinadores da cadeia agrícola, foram eles: Lallemand, Sekita Agronegócios, Veloso Green Coffee, ICL e 4 Folhas.

Apresentação de estratégias

No primeiro dia, estudantes, produtores e pesquisadores estiveram presentes no auditório para um momento de apresentação de estratégias e técnicas para a implantação de uma agricultura inteligente com foco na resiliência às mudanças climáticas e na conexão de paisagens produtivas sustentáveis, sendo esse um momento importante e preparatório para o objetivo do evento.

“A realização foi um sucesso e pudemos sentir o envolvimento de todos os participantes com o objetivo do evento, pelo sentido de estar contribuindo com o propósito da agricultura climaticamente inteligente, que é o propósito do Consórcio Cerrado das Águas”, avalia Marcelo Urtado, cafeicultor e presidente do Consórcio Cerrado das Águas.

Discussão para ação

A consulta pública para que a comunidade de pesquisadores, consultores e produtores pudessem opinar sobre as estratégias ficou aberta de maio a agosto e recebemos 22 contribuições. Essas informações serviram de base para a discussão do segundo dia do evento que reuniu produtores rurais e pesquisadores em um esforço conjunto para olhar para o mapa de risco e estratégias do CCA e propor mudanças e atualizações. Como resultado, pesquisadores e produtores apresentaram 22 contribuições para o mapa de riscos e 70 para o menu de estratégias. Ao final do evento os presentes indicaram quatro estratégias prioritárias para serem aplicadas pelos produtores que compõem o PIPC (Programa de Investimento no Produtor Consciente), conduzido pelo Consórcio Cerrado das Águas, para que alcancem, de forma mais rápida e eficiente, a resiliência climática.

“Foi um evento muito positivo, onde diversos profissionais puderam compartilhar suas pesquisas na área e onde houve muita interação com o público, especialmente no segundo dia. No fechamento do evento ficou mais evidente aos participantes a importância da união entre instituições de pesquisa, de ensino, produtores e iniciativa privada, para se alcançar uma agricultura climaticamente inteligente. Além disso, os produtores se colocaram à disposição para auxiliarem as instituições públicas no desenvolvimento das pesquisas”, comenta a pesquisadora da EPAMIG, Madelaine Venzon.

Até dezembro o Menu das Estratégias de Agricultura Climaticamente Inteligente do CCA será apresentado a todos através de um documento que ficará disponível no site do Consórcio Cerrado das Águas, algo que o produtor Marcelo Castro dos Santos, proprietário de fazenda em Rio Paranaíba, considera um grande apoio e um instrumento de orientação para aplicação das técnicas apresentadas durante os dois dias de Workshop. “Foi uma ação muito positiva, de grande valia, fazendo nascer uma ferramenta que vai auxiliar o produtor a implantar as práticas de agricultura climaticamente inteligente. O objetivo foi alcançado, porque pudemos compartilhar conhecimentos com os pesquisadores e com os demais produtores. A tendência é essa e precisamos colocar em prática, é isso que temos que fazer dentro das possibilidades de cada um, buscando apoio e colaborando com a difusão das experiências, favorecendo o elo da pesquisa e da produção. Com diálogo e colaboração, temos condições de fazer muito pela agricultura climaticamente inteligente”, avalia.

Parcerias no presente e pelo futuro

O esforço do Consórcio Cerrado das Águas e do Programa Café Plus em unir elos da cadeia produtiva para promover análises e debates foi o ponto alto do evento, como coloca Pedro Ivo. “Penso que, de forma inédita, estas pessoas estiveram reunidas com o objetivo comum de se debater a agricultura conservativa e inteligente para o clima. Em geral, todos os convidados se sentiram responsáveis e solidários com essa tarefa.

Por meio das conexões estabelecidas, as duas entidades já vislumbram a continuidade da parceria em desdobramento de outras iniciativas, bem como na promoção de outras edições do Workshop, contando com a participação efetiva de pesquisadores e produtores rurais para os objetivos propostos, fato esse apoiado pelos envolvidos.

É preciso que haja o fortalecimento das parcerias e a formação de uma rede para o desenvolvimento e aplicação das estratégias apresentadas. Na EPAMIG, especialmente no Programa Estadual de Pesquisa em Agroecologia, a pesquisa participativa é fundamental para se obter no desenvolvimento e adoção das novas tecnologias, algumas inspiradas no conhecimento tradicional dos agricultores”, considera Venzon.

O Consórcio é um exemplo de que a união é um fator importante para crescermos juntos: união entre produtores, pesquisadores, empresas privadas e instituições para um propósito – que é o propósito do Consórcio Cerrado das Águas, a agricultura climaticamente inteligente. O resultado importante do evento foi alcançar uma base técnica muito forte, tendo em vista as necessidades do produtor, do que é preciso para continuarmos implantando essa agricultura climaticamente inteligente e o que a ciência tem de base para fornecer para essas estratégias. Produtores e pesquisadores são pontes que precisam se conectar, alargar e ter um grande fluxo de movimentação entre si. O produtor precisa da ciência e a academia precisa conhecer as demandas dos produtores”, finaliza Urtado.

Sobre o Consórcio Cerrado das Águas

Criado em 2015, em Patrocínio – MG, o Consórcio Cerrado das Águas tem como objetivo agregar esforços para a implementação de estratégias que garantam a provisão de serviços ecossistêmicos a fim de alcançar um sistema produtivo resiliente às mudanças climáticas.

A iniciativa possui como membros associados as seguintes empresas: Nescafé, Expocaccer, Nespresso, Lavazza, Cooxupé, CofCo, Volcafé, Stockler, Daterra, Federação dos Cafeicultores do Cerrado e CerVivo. Além disso, a plataforma possui os parceiros-chaves como Prefeitura de Municipal de Serra do Salitre e Prefeitura Municipal de Coromandel.

______________

Créditos imagem: Arquivo CCA



0 visualização0 comentário