top of page

Alavancando o financiamento para a natureza na América Latina e no Caribe

Ideias, perguntas e soluções no Fórum Digital Finance for Nature


Como o setor financeiro pode apoiar as comunidades e empresas latino-americanas e caribenhas no manejo de suas terras?


Na semana passada, centenas de participantes de 62 países sintonizaram o Fórum Digital Finance for Nature: Investing in Equitable Futures para abordar esta questão premente.


Organizado pelo Global Landscapes Forum com o apoio dos governos da Alemanha e Luxemburgo, o evento online de um dia reuniu representantes da comunidade, líderes empresariais, financiadores, formuladores de políticas e cientistas, todos focados em apoiar a administração das comunidades locais e empresas da região. .


“É de extrema importância que os mercados de capital natural para soluções baseadas na natureza sejam cuidadosamente projetados para permitir o envolvimento ativo e a tomada de decisões das comunidades locais na liderança de equidade e justiça”, disse Cherryl Dentzer, consultora de financiamento climático internacional da Ministério do Meio Ambiente, Clima e Desenvolvimento Sustentável de Luxemburgo, na abertura do fórum.


Este sentimento foi repetido ao longo das três sessões principais, que cobriram a agricultura sustentável, como o financiamento climático pode alcançar os povos indígenas e uma sessão de apresentação de soluções inovadoras no estilo Dragons' Den.


A agricultura tem um impacto ambiental devastador, desde o desmatamento e perda de biodiversidade até a degradação da terra e da água e a poluição por pesticidas, fertilizantes e outros produtos químicos agrícolas. No entanto, também é vital para a sobrevivência de quase todos no planeta e desempenha um papel fundamental nas economias de muitos países da América Latina e do Caribe.


“A agricultura dá muito trabalho no Brasil, apesar das consequências das mudanças climáticas globais”, disse Fabiane Sebaio, secretária-executiva do Consórcio Cerrado das Águas (CCA). Mas isso pode não ser o caso por muito tempo, ela alertou.


“Se a temperatura continuar subindo conforme as estimativas, o café vai migrar da nossa região”, explica Sebaio. O café é apenas uma das inúmeras commodities que podem sofrer o mesmo destino.


No entanto, mudar para práticas agrícolas mais sustentáveis ​​pode apresentar muitos desafios, especialmente de financiamento – seja o acesso a fundos ou problemas nas estruturas que estão sendo usadas.


“Talvez você não ache que uma política de crédito que funciona para um bioma funciona para outro”, explica Dailson Andrade Santos, gerente de mercados privados da Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curuçá . “A política de crédito brasileira ainda é muito padronizada, enquanto o Brasil é muito diversificado.”


Essas particularidades devem ser levadas em consideração ao desenvolver o financiamento para a agricultura sustentável na região, disseram os palestrantes.


“Ao introduzir um sistema de crédito mais personalizado e que leva em consideração as necessidades específicas dos agricultores, reduzimos significativamente a inadimplência, que hoje está próxima de zero”, afirma Gabriel Chaves, gerente de desenvolvimento rural da Tabôa .




Agricultor familiar expondo seu café em Mato Grosso, Brasil. Ícaro Cooke Vieira/CIFOR


Transformando ideias em ação

Na segunda sessão, três projetos prontos para investimento na América Latina e no Caribe foram apresentados a um painel de três investidores especializados.


Os palestrantes levaram em consideração o potencial de impacto ambiental, viabilidade financeira e escalabilidade dos três argumentos de venda, antes de fazer perguntas investigativas e oferecer conselhos valiosos.


O primeiro projeto apresentado foi o Ecosystem Regeneration Associates (ERA), que oferece créditos de carbono com base no Cerrado brasileiro. Quando questionada sobre seu impacto social, objetivos e envolvimento da comunidade, a fundadora e CEO da ERA, Hannah Simmons, enfatizou o aumento de oportunidades para mulheres na agrofloresta em comparação com outras práticas, como a criação de gado.


Em seguida veio a Diwö Ambiental , representada pela diretora de comunicação e coordenadora de voluntariado Jimena Araya. Fundada em 2016 e sediada na Costa Rica, a ONG utiliza soluções baseadas na natureza para restauração de terras com foco no impacto socioambiental. Como muitas vezes pode ser difícil medir o impacto no mundo real, a Diwö Ambiental está aproveitando uma variedade de soluções tecnológicas para garantir que seus projetos estejam no caminho certo e sejam impactantes, desde documentação de fotos e vídeos até monitoramento por satélite e drones.


O pitch final do dia foi a Fundação Defensores de la Naturaleza , apresentado pelo diretor administrativo Javier Márquez. A organização com sede na Guatemala trabalha para proteger a natureza há décadas, mas, como Márquez apontou em seu discurso, eles passaram a depender de doações e agora estão buscando outras fontes de receita. Seguiu-se uma discussão sobre os estágios de financiamento, parceiros e como uma injeção de financiamento seria gerenciada, destacando as complexidades da arrecadação de fundos no espaço de adaptação climática.


Agrofloresta no Peru


Embora o financiamento climático esteja sendo ativado em alguns setores, ainda é muito deficiente em outros. Fabiola Muñoz Dodero, coordenadora no Peru da Força-Tarefa Governadores pelo Clima e Florestas (GCF) , abriu a terceira sessão do dia explicando que, apesar de terem conhecimentos e práticas para gerir seus territórios de maneira sustentável, as comunidades indígenas ainda recebem apenas qualquer investimento relacionado - menos de 2%, de acordo com o palestrante Aldo Soto, diretor administrativo e cofundador da Amazonia Impact Ventures .


Isso atingiu a questão central que os quatro palestrantes discutiriam: como o financiamento climático pode alcançar os povos indígenas?


As respostas não são tão simples, mas o painel de especialistas explorou várias ideias, incluindo a necessidade de “organizações especializadas” que possam “fazer a ponte entre as comunidades indígenas e os recursos financeiros”, como apontou Soto, bem como a necessidade de empatia de todas as partes interessadas.


“Talvez a inovação esteja mais do que tudo na atitude de como vocês abordam uns aos outros, e isso pode significar que vocês se encontram com respeito e empatia antes de discutir taxas de juros.” disse Mareike Hussels, gerente de finanças mistas da Triodos Investment Management.


Este sentimento foi compartilhado por Juan Carlos Jintiach, secretário executivo da Aliança Global de Comunidades Territoriais (GATC). “Quando a empatia está presente, ela promove um ambiente onde ocorre a escuta ativa, permitindo uma compreensão mais profunda das motivações por trás dos pedidos dos outros”, disse ele.


“Trabalho árduo, confiança e empatia são essenciais para encontrar um terreno comum e colaborar de forma eficaz. Precisamos continuar nos educando.”



Fonte: https://news.globallandscapesforum.org/61158/leveraging-finance-for-nature-in-latin-america-and-the-caribbean/

11 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page